10 razões pelas quais uma nuvem híbrida é melhor

By Jeff DeVerter -

hybrid cloud

Nota do editor: atualizamos esta postagem, publicada originalmente em 2013, para refletir as realidades da nuvem em 2020.

As tendências tecnológicas vêm e vão ao longo do tempo. A consistência é que, a cada ano que passa, novas tendências e recomendações substituem as antigas. Bem, passados sete anos, tenho a satisfação de informar que tudo no artigo original permanece tão verdadeiro hoje quanto era quando foi escrito. Dito isso, houve algumas mudanças que aprimoram tudo o que afirmamos há sete anos.

O elemento SaaS

Em 2013, o SaaS estava relegado a sistemas de CRM ou e-mail. Muita coisa mudou nos últimos sete anos — o SaaS agora é uma opção muito palpável para várias das cargas de trabalho empresariais. O Salesforce agora é muito mais do que um aplicativo de monitoramento de vendas e ficou extremamente extensível, permitindo até cargas de trabalho complexas — sem mencionar o que está disponível no FinancialForce.

Aprimoramentos híbridos

Em 2013, a nuvem privada era frequentemente associada à infraestrutura física em funcionamento no seu data center preferido. Podia ser um servidor físico, um ambiente virtualizado ou uma implantação do OpenStack. Nos anos que se seguiram, os provedores de nuvem em hiperescala desenvolveram serviços que aprimoram os recursos no data center. Por exemplo, a Microsoft oferece o Azure Stack para estender os serviços do Azure entre data centers, localizações de margem e escritórios remotos. Recentemente, a Microsoft também lançou o Azure Arc para ajudar a criar consistência de gerenciamento entre Azure, data centers locais e outras nuvens.

A nuvem pública privada

Outro aprimoramento é a capacidade de executar cargas de trabalho virtuais baseadas em VMware nativamente no AWS ou no Azure. Embora pareça confuso, você ainda pode pensar nisso como uma nuvem privada – só que a infraestrutura subjacente está sendo executada na infraestrutura de um provedor de nuvem em hiperescala.

Uma última alteração

Embora o artigo original identificasse a segurança como um fator determinante para a infraestrutura a ser escolhida, atualmente a segurança pode ser entregue de forma consistente em todas as plataformas. Mais do que isso, a segurança deve ser entregue de forma consistente. Hoje, você consegue monitorar e gerenciar toda a superfície de ataque, de maneira uniforme e eficaz, com uma série de serviços de segurança existentes no mercado, tanto de provedores de serviços gerenciados quanto de empresas especializadas. 

O que isso significa para você:

As decisões de infraestrutura costumavam ser tomadas com frequência de um a três anos. Mas os negócios e a tecnologia estão mudando tão rapidamente agora que toda a pilha de tecnologia de uma empresa deve ser reconsiderada a cada trimestre. Isso não significa mudar de direção a cada trimestre, apenas que você deve ficar a par do que mudou no seu mercado, nos negócios e no setor de tecnologia em geral. Especificamente, é necessário reconsiderar em qual plataforma cada aplicativo deve rodar. Eis os recipientes gerais:

  • Colocalização
  • Nuvem privada (VMware, HP, DellEMC, Microsoft, OpenStack, RedHat)
  • Nuvem pública (AWS, Azure, Google Cloud Platform, OpenStack, Microsoft 365)
  • Software como serviço (Salesforce, Workday, ServiceNow, Marketo, Okta, HubSpot)

Meu desafio para você: crie uma equipe que possa se concentrar nisso em tempo integral ou faça parceria com uma empresa capaz de enxergar sua pilha de tecnologia de fora para dentro.

Nota do editor: este artigo foi publicado originalmente em 2013.

A nuvem híbrida é o futuro para muitas empresas. Negócios grandes e pequenos estão se voltando para a infraestrutura mista porque ela reúne o melhor de todos os mundos: nuvem pública, nuvem privada e servidores dedicados trabalhando juntos em qualquer combinação.

Individualmente, nuvem pública, nuvem privada e servidores dedicados podem sustentar-se sozinhos como uma valiosa arquitetura. Mas o que nossos clientes descobriram é que, quando se trata da nuvem, um tamanho só não serve para todos. Em vez disso, você pode obter um valor sinérgico ao combinar diferentes infraestruturas em um único portfólio de produtos. A capacidade de criar uma arquitetura de computação comum pode oferecer melhor confiabilidade, desempenho otimizado e maior custo-benefício. Mas isso não é tudo.

Aqui estão 10 razões pelas quais a nuvem híbrida talvez seja melhor para seus negócios e clientes:

1. Maior flexibilidade arquitetônica 

Um portfólio completo de nuvem híbrida permite colocar cargas de trabalho onde elas fazem mais sentido. Você pode alinhar sua arquitetura para aproveitar os requisitos de desempenho que apenas servidores dedicados podem oferecer. Ao mesmo tempo, é possível atingir objetivos financeiros com o faturamento a prazo de contratos para atender a expectativas regulatórias ou de investidores, além de aproveitar o faturamento de serviços públicos para necessidades desconhecidas ou de curto prazo. E, é claro, a nuvem permite rapidez de implantação, algo que vem a calhar quando há redução de prazos ou mudança de exigências.

2. Mais controle técnico 

É possível conceder acesso root a pessoal apropriado e definir uma segmentação de rede personalizada para segmentar lógica e fisicamente sua arquitetura quando necessário. Diferentemente das soluções somente em nuvem, um portfólio de nuvem híbrida permite definir se e onde a multilocação é aceitável. Você também pode solicitar hardware personalizado conforme necessário para atender a requisitos específicos de desempenho de aplicativos.

3. Melhor segurança

Uma preocupação comum sobre a tecnologia de nuvem entre as empresas envolve segurança e multilocação. Um portfólio híbrido alivia essas inquietudes, permitindo que você escolha servidores e dispositivos de rede dedicados para isolar ou restringir o acesso. Além disso, seus dispositivos podem ser configurados para que servidores dedicados e servidores em nuvem consigam se comunicar em uma rede privada, transformando duas soluções separadas em uma única arquitetura integrada. A Rackspace fornece essa opção aos clientes há vários anos.

4. Opções de conformidade

Com melhor segurança, vem a capacidade de atender aos requisitos de conformidade. Muitos auditores desaprovam a multilocação e exigem soluções dedicadas para alguns ou, às vezes, para todos os aspectos da sua infraestrutura hospedada. Com a segurança de rede adequada, uma solução híbrida que combine nuvem e hardware dedicado pode atender aos requisitos de auditoria.

5. Tranquilidade

Gerenciar relacionamentos com fornecedores pode ser assustador. Recursos de cobrança e metodologias de precificação diferentes, divergências nas prioridades tecnológicas e níveis variados de suporte podem dificultar a manutenção de soluções terceirizadas. O uso de um único provedor que ofereça um portfólio robusto e uma equipe de contas centrada no cliente pode reduzir bastante seus níveis de estresse, graças aos conceitos "um só pescoço para esganar" ou "uma só pessoa para abraçar".

6. Contas de serviços públicos

Costumamos dizer que a nuvem é para todos, mas não para tudo. Algumas cargas de trabalho exigem o desempenho e a segurança que somente o hardware dedicado pode oferecer. No entanto, você ainda precisará da flexibilidade e velocidade de disponibilização dos serviços em nuvem quando se trata de concluir tarefas de computação em lote, suportar surtos de tráfego (esperados ou não) e preparar-se para períodos de pico comercial, entre outros motivos. Uma nuvem híbrida lhe permite ser proprietário da configuração básica e alugar no pico, pagando assim apenas pelo que usar.

7. Previsibilidade técnica

Os desenvolvedores trabalham duro para criar aplicativos estáveis. Desenvolvimento e teste são usos comuns para servidores em nuvem (pense em "alugar no pico"), mas, quando chega a hora da produção, você quer saber exatamente qual será o desempenho da plataforma. Em muitos casos, a nuvem pública funcionará bem, mas talvez algumas empresas prefiram ficar com servidores dedicados, ao menos para alguns de seus lançamentos essenciais. Por exemplo, os servidores dedicados podem ser configurados para atender às necessidades de desempenho e, em seguida, suplementados com servidores multi-inquilinos na nuvem para o tráfego excedente.

8. Escolha do sistema operacional

A maioria dos provedores de nuvem pública oferece diversas opções de sistema operacional. Isso pode ser útil se você precisa testar produtos ou interagir com diferentes audiências técnicas. Se você revende serviços hospedados, seus clientes terão a flexibilidade de escolher o ambiente preferido, e você saberá que pode contar com opções dedicadas para os clientes que precisam delas.

9. Promoção de inovação

A capacidade de ativar e desativar servidores em nuvem é muito atraente para os desenvolvedores, especialmente se eles puderem fazer isso sozinhos, sem as restrições de processo e tempo frequentemente exigidas pelos departamentos internos de TI. Essa mentalidade estrutural pode promover a flexibilidade de pesquisa e desenvolvimento ao liberar a montagem/desmontagem rápida de servidores em nuvem pelos criadores técnicos — pense em projetos de prova de conceito, pilotos, testes de software etc. Uma vez atingidos os objetivos e concluídos os testes, os recursos em nuvem ou dedicados podem ser implantados para atender aos requisitos de produção subsequentes.

10. Um porto seguro de tecnologia

Por vários motivos, a expansão de aplicativos é o conceito das unidades de negócio que adquirem recursos de TI de fornecedores externos. Por exemplo, talvez seus desenvolvedores estejam recorrendo a um provedor para ativar e desativar servidores para cumprir o cronograma de um projeto de curto prazo. Uma empresa poderia criar um ambiente de teste em servidores dedicados com os recursos de desempenho e segurança necessários e, ao mesmo tempo, ser capaz de se conectar a recursos flexíveis na nuvem. Isso poderia fornecer um pool de tecnologias reutilizável, controlado e finito, onde departamentos internos, fornecedores externos, parceiros e talvez até clientes possam implantar e testar soluções. Internamente, essa configuração pode até se tornar um centro de lucro.

Uma consideração que excluímos deliberadamente da lista foi o custo. Isso porque determinar o valor e o custo de qualquer solução de hospedagem envolve muitas variáveis, pelo menos na nossa perspectiva. Uma solução em nuvem é mais barata que uma solução dedicada? Às vezes. Mas, na verdade, essa resposta depende de vários fatores. Toda solução de hospedagem é singular, e todo cliente possui requisitos específicos relacionados a objetivos tecnológicos, de suporte, financeiros e comerciais. Trabalhar com um provedor de nuvem híbrida pode oferecer o luxo da escolha com a confiança da consistência.

Você escolhe as nuvens. Nós as conectamos.Leia mais