O que a sua estratégia de nuvem pode estar negligenciando

By Eric Miller -

person's hands on laptop keyboard

 

O debate sobre nuvem pública e nuvem privada está encerrado. Todas as organizações usam várias nuvens, mesmo sem perceber. Você terá cargas de trabalho em execução em seu próprio centro de dados, juntamente com software de produtividade como Microsoft 365, Salesforce e Workday. Encare o fato de que você está preso a uma experiência multinuvem.

Talvez o que possa surpreendê-lo seja a distribuição amplamente uniforme entre nuvem pública, privada e centros de dados/housing — e que a maioria das cargas de trabalho atuais é executada em centros de dados tradicionais. Isso contradiz a percepção comum de que o futuro esteja totalmente relacionado à nuvem pública. Em vez disso, o interesse em modelos alternativos continua a crescer à medida que os benefícios da nuvem pública se encaminham para a nuvem privada.

Como veremos, com a tecnologia evoluindo incansável e rapidamente, não é mais necessário perguntar se você deveria escolher entre nuvem pública ou privada. A pergunta que mais importa é: O que você está neglicenciando em sua estratégia de nuvem?

 

1. Não é difícil escolher entre “pública” ou “privada”

As empresas se encontram em ambientes multinuvem por inúmeros motivos, incluindo demandas por funcionalidade mais ampla, rápido desenvolvimento, custos mais baixos, segurança, resiliência e conformidade regulatória. Sabemos que as organizações querem o melhor do público e do privado, mas se sentem forçadas a decidir entre os dois.

Essa não é a melhor abordagem. Não faz muito tempo que empresas como a VMware e a Dell começaram a habilitar a nuvem privada com os mesmos tipos de recursos das nuvens públicas, como automação, provisionamento rápido e preços baseados em consumo. E os hiperescaladores estão habilitando suas infraestruturas locais para as organizações como nuvens privadas.  As diferenças não estão mais tão claras.

Estamos num ponto em que essas coisas podem ser feitas em qualquer nuvem. Então não se sinta forçado a adotar uma estratégia de nuvem para dividir suas opções ao meio. Coloque tudo na mesa e tome decisões com base em cada carga de trabalho e em cada caso de negócio.

 

2. A nuvem é um modelo operacional, não um destino

Sua estratégia precisa reconhecer que a nuvem tem a ver com o modo como você consome, gerencia e interage com esses recursos, independentemente de onde eles estejam. Concentre-se no modo como sua empresa está organizada, nos problemas que está tentando resolver, no que faz sentido para as suas cargas de trabalho e em como tudo se adapta melhor aos resultados que a sua organização está buscando alcançar.

Você precisa de um modelo operacional que permita o consumo da nuvem da maneira como você quiser, quando quiser, usando a plataforma desejada. Esse modelo operacional não tem de ser fixo, mas um que você pague apenas pelo necessário, quando precisar. Ele tem de atender aos seus requisitos de carga de trabalho, alinhar-se com o que faz sentido para a sua empresa e permitir que você cresça com o tempo sem se preocupar com atualizações futuras. Tudo isso se alinha com nuvens de hiperescala e também com nuvens baseadas em VMware.  

 

3. Tudo tem a ver com as cargas de trabalho

O que falta em muitas estratégias de nuvem não é um modelo de nuvem, mas uma perspectiva “reimaginada” que muda de uma discussão “entre duas opções” para outra que abrange uma gama de opções. As decisões devem ser tomadas com base em cada carga de trabalho, em qual modelo é mais adequado e nos resultados de negócios relevantes.

Isso é orientado, em parte, por uma mudança no setor de um foco na infraestrutura para um foco no aplicativo. A infraestrutura não é mais o fator predominante. Em vez de criar aplicativos para adequação a uma infraestrutura em particular, agora é comum criar infraestrutura para dar suporte às necessidades de um aplicativo.

É preciso, portanto, concentrar-se nos problemas que seus aplicativos solucionam e procurar ferramentas que ajudem a permitir o sucesso. Evite pensar que a TI favoreceu a infraestrutura ou provedores de nuvem favoritos. Os aplicativos têm requisitos e esses requisitos influenciam decisões de infraestrutura. Considere as cargas de trabalho, concentre‑se nos resultados e deixe que eles sejam os seus guias.

 

4. O híbrido pode ser um lar temporário ou permanente

Há cargas de trabalho que não faz sentido transformar em nativas da nuvem, que tendem a se enquadrar em cargas de trabalho não transformadas. Alguns exemplos incluem cargas de trabalho de back‑office que não são amigáveis para a nuvem e aplicativos que simplesmente não são viáveis para transformação, devido a custos e a outros fatores.

Algumas empresas, no entanto, terão aplicativos cuja transformação faz sentido, mas essas empresas não estão prontas para fazer isso no momento, e ainda precisam mover os aplicativos para fora de seus centros de dados. Essas cargas de trabalho podem ser movidas para um ambiente de hospedagem familiar, como o VMware, que muitas organizações já estão usando enquanto desenvolvem suas estratégias de transformação. Dependendo de como as coisas acontecem, isso pode ser um passo ou um destino; porém, com a configuração correta e em uma plataforma como a VMware Cloud, sua organização será capaz de aproveitar o melhor do público e do privado.

 

5. Provedores de serviços podem simplificam a complexidade

A nuvem deveria simplificar o mundo, mas os ecossistemas multinuvem estão cada vez mais complexos. Pode ser difícil imaginar como as peças se encaixam e gerenciá-las de forma sustentável e resiliente. Talvez também seja difícil maximizar e interagir com cada uma de suas nuvens e protegê-las com políticas consistentes. Pode ser tentador migrar para plataformas ou provedores com base em fidelidade, ou reduzir a complexidade de modo abrupto, para reduzir os custos e as demandas de equipes internas.

É devido a esses grandes desafios que pode ser muito vantajoso trabalhar com um provedor de serviços como a Rackspace Technology. Podemos ajudá-lo a formular uma estratégia, migrar e modernizar e efetivamente gerenciar seu ambiente de nuvem. E, o mais importante, como firmamos parceria com os principais hiperescaladores e também com a VMware, podemos ajudá-lo a simplificar a complexidade, permitindo que você migre e interopere em uma ampla variedade de modelos diferentes de nuvem e coloque as cargas de trabalho certas, no lugar certo e na hora certa.

Ao ajudar as suas equipes a se concentrarem no que fazem de melhor, esse pode ser o aspecto mais importante de sua estratégia de nuvem — e isso é facilmente negligenciado.

 

Tome a decisão certa em relação à sua estratégia de nuvem

Talvez você tenha começado a trabalhar em uma estratégia para o futuro da nuvem de sua organização baseado em decisões difíceis: multinuvem ou apostando em um único hiperescalador. Mas com o ritmo acelerado das mudanças e demandas contínuas por inovação, segurança, agilidade e resiliência, é hora de começar a pensar na nuvem de modo diferente.

Para se aprofundar mais nesse assunto, assista ao nosso webinar sob demanda “O que a sua estratégia de nuvem pode estar negligenciando”. E, para saber como a Rackspace Technology, a Dell Technologies e a VMware estão reimaginando a nuvem privada, visite rackspace.com/cloudreimagined.

 

Descubra os pontos cegos de sua estratégia de nuvem.Assistir ao webinar