Is your organization cloud native

A sua organização é nativa da nuvem?

Noventa e sete por cento de tomadores de decisões da área de TI disseram que suas organizações eram nativas da nuvem ou que planejavam ser. Mas não houve consenso sobre o significado dessa frase.

Nota do editor: este post foi escrito por Tolga Tarhan e originalmente publicado na Forbes. 

O setor de tecnologia sempre foi repleto de chavões, e frases da moda circulam sem que se dê a devida consideração ao real significado delas. Porém, à medida que as empresas se esforçavam para adaptar suas infraestruturas de TI a novas demandas, um termo em particular parecia estar em todos os lugares: o “nativo da nuvem”.

Em uma pesquisa de junho de 2020 da minha empresa, a Rackspace Technology, noventa e sete por cento dos tomadores de decisão de TI disseram que suas organizações eram nativas da nuvem ou que planejavam ser — mas não houve consenso sobre o significado da frase. Alguns entrevistados achavam que ser nativo da nuvem significava nascer na nuvem, enquanto outros achavam que ter parte dos seus dados hospedados na nuvem era o suficiente. Havia ainda aqueles que achavam que nativo da nuvem significava usar elementos específicos de infraestrutura, como Kubernetes. 

Uma pesquisa de 2021 mostrou mais confusão sobre o termo nativo da nuvem. Muitos entrevistados (41,7%) classificaram a criação de aplicativos que utilizam especificamente a infraestrutura de nuvem subjacente como o aspecto mais importante do nativo da nuvem. No entanto, a maioria escolheu as outras duas opções: utilização de contêineres (34,5%) ou movimentação para um provedor de infraestrutura de nuvem (23,8%). A maioria dos entrevistados ainda priorizou onde os aplicativos são executados em relação a como.

O fato de mesmo os líderes de TI não concordarem com a definição não é surpresa. Ser nativo da nuvem é mais complexo do que qualquer característica ou capacidade. Significa possuir várias características e recursos interligados que se unem para aumentar a sua eficiência e agilidade. 

A simples adoção de novas tecnologias e processos fragmentados não é suficiente. A soma de características e recursos nativos da nuvem é maior do que suas partes, e é por isso que julgar quais empresas realmente merecem o título de “nativo da nuvem” pode ser complicado. 

Os sinais de que a sua empresa talvez se encaixe no perfil começa com um aspecto que é guarda-chuva para todo o resto: a sua empresa provavelmente é nativa da nuvem se os desenvolvedores são capazes de se concentrar no aplicativo, não na infraestrutura que os suporta. 

Um sinal de abstração

Conforme escrevi anteriormente, a evolução da TI desde a década de 1990 tendeu a abstrair os aplicativos do hardware, reduzindo a quantidade de infraestrutura que as empresas precisam gerenciar sozinhas. Se você se preocupa com cada máquina virtual (VM) do fluxograma e fica conferindo todos os dias se elas estão ativas ou não, isso significa que você ainda está preso ao mundo pré-nuvem.

A infraestrutura nativa da nuvem utiliza automação e metodologia ágeis para simplificar a implementação. Em vez de gerenciamento direto da infraestrutura por meio de soluções do tipo apontar e clicar, você tem a infraestrutura como código. Você codifica o estado final que deseja ver e os processos automatizados cuidam do resto — um fluxo de trabalho mais próximo do desenvolvimento de software do que do gerenciamento de infraestrutura tradicional. 

O resultado é que você quase não precisa considerar a infraestrutura em si. Em vez disso, durante todo o processo, o foco permanece no aplicativo que está sendo implementado. Essa liberdade de infraestrutura é um dos maiores benefícios da nuvem, reduzindo custos e sobrecarga e liberando a equipe de TI para realizar mais trabalhos criativos e de alto impacto. 

Próximos passos para a transição para nativo da nuvem

Se você ainda estiver gerenciando manualmente os mínimos detalhes de sua infraestrutura de TI sempre que implementar, terá trabalho a fazer antes de aproveitar todas as vantagens da nuvem. 

Primeiro, dê uma olhada em sua arquitetura de software. Por exemplo, o pensamento centrado em VM o aprisiona intrinsecamente a planos de atualização complicados, já que você precisa ajustar sua infraestrutura existente sempre que implementar, tornando mais provável que algo seja quebrado. Por outro lado, arquiteturas modernas, como ambientes efêmeros, contêineres e sem servidor, permitem uma infraestrutura imutável. Quando você precisa atualizar o código ou alterar o ambiente, você cria uma nova instância líquida com nova infraestrutura para corresponder ao que estava em seu ambiente de teste. 

Mas ser nativo da nuvem não se trata apenas de adotar novas tecnologias — é também uma mudança cultural e operacional. A adoção das melhores práticas de DevOps, como eliminação de isolamento de equipes e automatização de processos, é vital para a transição para uma abordagem nativa da nuvem. À medida que você fizer a transição, talvez seja necessário contratar uma equipe de infraestrutura que trabalhe mais como engenheiros de software. 

Para garantir uma transição suave para o nativo da nuvem, você deve promover uma cultura de transparência e liberdade em sua organização. A transparência é crucial para processos de tomada de decisão eficazes. Quaisquer gargalos, erros e partes ruins nos sistemas devem ser discutidos livremente, o que ajudará a construir uma organização de trabalho saudável. As equipes técnicas devem entender os requisitos estabelecidos pelos clientes e partes interessadas e ser capazes de criar soluções com total liberdade. 

Resultados

A capacidade de se concentrar em seu aplicativo em vez de sua infraestrutura é somente um sinal de que a sua empresa é nativa da nuvem — mas é um sinal importante. É um indicador de que você abstraiu o software do hardware e está aproveitando os ganhos em eficiência e agilidade que a nuvem tem a oferecer. Como discutido acima, muitas mudanças em pessoas e processos também sustentam essa transformação.

Mas a capacidade de se concentrar em aplicativos não é suficiente em si para provar que sua empresa é nativa da nuvem. Para fazer isso, é preciso examinar como os seus engenheiros testam e implementam o software. 

 

Join the Conversation: Find Solve on Twitter and LinkedIn, or follow along via RSS.

Stay on top of what's next in technology

Learn about tech trends, innovations and how technologists are working today.

Subscribe

It's the end of infrastructure-as-a-service as we know it

É o fim da IaaS tal como a conhecemos: eis o que vem a seguir

About the Authors

Tolga Tarhan

CTO

Tolga Tarhan

As CTO of Rackspace Technology, Tolga Tarhan leads the vision, driving innovation, and strategy for our technology offerings. With more than two decades of experience leading product and engineering teams and as a hands-on technologist at heart, he brings unique insights to customers undertaking the journey to the cloud. As an early pioneer of cloud native thinking, Tolga's passion has driven our technical approach and transformed our customers into cloud native thinkers. Tolga continues to show thought leadership in the field through his extensive speaking engagements at AWS events, industry conferences, and educational groups. Tolga previously served as CTO of Onica, which was recently acquired by Rackspace Technology. Prior to that, he was a co-founder of Sturdy Networks and served as the CEO through to the acquisition by Onica. Tolga holds an M.B.A. from the Graziadio Business School at Pepperdine University.

Read more about Tolga Tarhan