public sector edge

O setor público deveria estar adotando a borda

A combinação de IoT e edge computing permitirá que decisões importantes sejam balizadas com informações em tempo real, possivelmente salvando vidas.

A Internet das Coisas (IoT) apresenta vastas oportunidades em todo o setor público. Com usos abrangendo desde transporte autônomo, dispositivos de monitoramento de saúde e aplicações de tráfego e iluminação até sensores para lixeiras inteligentes e ações policiais, a IoT dispõe de potencial para melhorar nossa vida cotidiana.

Porém, quando se trata de IoT, velocidade é tudo. Situações de emergência e crise, em particular, exigem que as decisões sejam tomadas quase que instantaneamente. Por esse motivo, as organizações do setor público estão de olho na edge computing — na qual os dados dos dispositivos IoT podem ser processados em tempo real. A borda elimina até o mínimo atraso e, além disso, é mais econômica do que enviar os dados para processamento na nuvem.

Seu setor público está pronto para adotar a borda? Vamos dar uma olhada mais de perto.

Uma solução mais segura

Os setores públicos sabem como proteger os dados dos cidadãos e evitar interrupções potencialmente perigosas nos serviços: eles guardam os dados localmente (ou seja, armazenados em um servidor privado). A edge computing funciona com essa mesma premissa, mantendo os dados localmente para viabilizar tomadas de decisão em tempo real.

A borda limita a distância percorrida pelos dados e, portanto, reduz parcialmente o risco de segurança associado à movimentação deles para a nuvem ou para outro data center. E a janela na qual as coisas podem ser perturbadas ou corrompidas é menor, já que os dados permanecem altamente localizados.

Cortando custos

Para o setor público, o resultado final é o mais importante. Os orçamentos tendem a ser mais apertados, e os projetos de transformação digital podem se ver limitados por questões financeiras.

A edge computing pode, na verdade, reduzir custos. Isso é especialmente verdadeiro em relação aos custos de ingestão de dados, uma vez que enviar apenas os dados que precisam persistir na nuvem reduz os encargos de movimentação. Com os dados sendo processados principalmente no local em vez de na nuvem, as organizações podem reduzir as exigências de capacidade na nuvem e os custos associados.

O uso mais inteligente da infraestrutura de nuvem também beneficia a otimização dos custos. A nuvem, em conjunto com a borda, é um ótimo exemplo de como a arquitetura pode funcionar de forma mais flexível e oferecer maior economia com base no uso e nos requisitos reais, ao mesmo tempo em que é totalmente escalável.

Obstáculos no caminho

Embora a combinação de IoT e edge computing seja muito promissora para o setor público, a tecnologia ainda tem desafios consideráveis a enfrentar antes de poder ser adotada em escala substancialmente maior.

Um dos maiores desafios inerentes à implantação da IoT é a falta de compreensão de como a tecnologia funciona dentro do setor público. Uma possível razão para isso pode ser a crescente lacuna de habilidades digitais no segmento, situação salientada por um recente relatório publicado pelo Cloud Industry Forum, que constatou que 40% das organizações do setor público ainda não dispõem das habilidades certas para se adaptar à transformação digital contínua.

Sem conhecimento técnico suficiente, muitos municípios sofrem para compreender o funcionamento das soluções de IoT e quais benefícios elas poderiam trazer, fazendo com que os principais responsáveis pelas decisões fiquem menos inclinados a considerar a integração da tecnologia em seus serviços.

Se as autoridades municipais querem superar a escassez de habilidades digitais, devem enfatizar mais o cultivo dos talentos de TI para que possam ter sucesso em um mundo cada vez mais digitalizado. Uma vez que se tenha alcançado maior nível de alfabetização digital dentro do setor público, é mais provável que os municípios compreendam as vantagens de se usar a IoT.

Além da falta de competências digitais no setor público, muitos municípios relutam em adotar a IoT simplesmente por julgarem não haver evidências suficientes quanto à real eficácia das soluções. À medida que mais autoridades locais se dispuserem a testar a tecnologia, provavelmente aumentarão as evidências em favor da IoT, facilitando sobremaneira a tarefa de persuadir os líderes municipais a adotar as soluções.

Oportunidades futuras

Com todas as organizações aumentando cada vez mais a utilização de dados, é essencial usar a combinação certa de tecnologias. Seja trazendo experiência em nível interno, contratando terceiros ou recebendo conselhos de parceiros especializados, os benefícios de aproveitar a combinação certa de borda e nuvem para complementar a crescente implantação da IoT estão se tornando essenciais.

A boa notícia para o setor público é que a revolução da IoT está apenas começando. Porém, com as enormes oportunidades de melhorar os serviços com os quais interagimos diariamente, o momento de pensar de forma inteligente sobre como abraçar o potencial dela é agora.

 

Join the Conversation: Find Solve on Twitter and LinkedIn, or follow along via RSS.

Stay on top of what's next in technology

Learn about tech trends, innovations and how technologists are working today.

Subscribe

smart sourcing

O sourcing inteligente é a resposta para a escassez de habilidades de TI no setor público?

About the Authors

Tim Lovejoy​

Vice President Private Cloud and Government, EMEA​

Tim Lovejoy​

As Rackspace Technology™ Vice President for Private Cloud and Government in Europe, Middle East and Africa (EMEA) regions, Tim is focused on accelerating the adoption of multicloud. He is dedicated to helping customers achieve the best value from the cloud using the unbiased and deep engineering expertise of Rackspace Technology.​ Tim has over 25 years of experience in various leadership roles based on delivering value to customers in the public, financial, energy and utilities sectors. Before joining Rackspace Technology, Tim worked for IBM, where he was responsible for enterprise clients. Elsewhere, Tim has held leadership roles at Deutsche Telekom, Hewlett-Packard (HP) and Electronic Data Systems (EDS). While at EDS he worked to shape the growth of the largest government accounts and was responsible for the post-merger of EDS, EMEA into HP.

Read more about Tim Lovejoy​