Article (leitura de 5 minutos)

Multinuvem: a nova oportunidade mais antiga enfrentada pela TI corporativa

O mais recente ressurgimento da multinuvem é bem-vindo, mas anuncia mais um surto de inovação na nuvem que os líderes de TI precisarão...

Jeff DeVerter / Rackspace

Após um período em território selvagem, a multinuvem é considerada atualmente a estratégia de nuvem dominante para 2020 e para o futuro. Quando dizemos multinuvem, estamos falando essencialmente sobre hybrid cloud – usando as nuvens públicas e privadas juntas. No entanto, a hybrid cloud não trata adequadamente das plataformas de nuvem múltipla e das opções de implementação que a multinuvem reflete.

Nossos especialistas afirmaram isso – prevendo várias vezes que a multinuvem permanecerá em ascensão e que a nuvem 2.0 ressurgirá – assim como a Gartner. Os analistas esperam que mais de 75% das organizações de médio e grande porte adotarão uma estratégia de multinuvem até 2021.

No entanto, isso promete complicar os assuntos para os líderes de TI na hora de traçarem um caminho para a nuvem ou redefinirem as estratégias atuais. A nuvem já é complexa, e a multinuvem não é uma metodologia ou abordagem de fácil definição. De forma geral, a multinuvem inclui múltiplas nuvens públicas ou uma combinação de nuvens públicas e privadas, abrindo as portas para uma variedade de implementações projetadas para atender a necessidades de cargas de trabalho específicas.

É um conceito em evolução que, de acordo com diversas previsões dos nossos especialistas, tem muitos ângulos que prometem gerar muita polêmica. Por exemplo, a governança de custos, a segurança e a marcação podem tirar sono de algumas pessoas, enquanto outras estão ansiosas para que os grandes provedores de infraestrutura levem a tecnologia de nuvem pública para ambientes internos (leia mais sobre esse assunto mais adiante).  Tudo isso para dizer que a multinuvem chegou para ficar, mas que é necessário definir o que isso significa para a sua empresa. Somente porque é possível executar as cargas de trabalho em todas as nuvens, isso seria recomendável?

Como sempre é o caso em relação à nuvem, cada caso é um caso

Então, por onde começar? Bem, quando é possível usar nuvens públicas em centrais de dados internas e nuvens privadas em ambientes externos, não há utilidade em considerar a adoção da multinuvem, exceto em níveis elevados. (O ideal é que incorpore uma ferramenta de gestão exclusiva e unificada, que organize os processos com a ajuda da automação).

O melhor, no entanto, é concentrar-se no que ela faz. O melhor é que ela combina opção e eficiência. Proporciona uma abordagem ágil e econômica para transferir cargas de trabalho para dentro e para fora da nuvem pública (ou entre nuvens públicas), reduzindo custos, aumentando a produtividade e limitando a restrição imposta pelos fornecedores.

Dessa forma, a multinuvem oferece mais flexibilidade para a empresa, por meio de melhores opções de implementação de dados e aplicativos, e a capacidade de lidar com o excesso sem a necessidade de investir em recursos de computação, para lidar com os picos de demanda de curto prazo.

O resto fica a seu critério. A multinuvem é um conceito altamente adaptável e a maneira como você a constrói será exclusiva para você, porque toda a jornada na nuvem é exclusiva.

Por que multinuvem e por que agora?

As organizações inteligentes reconhecem os benefícios de executar aplicações e dados no ambiente mais adequado para as cargas de trabalho em um determinado momento. Claro que, para que isso seja viável, todo ambiente em questão deve ser gerenciado, protegido e coordenado de maneira coerente. Desde os primeiros dias da nuvem, muitas ferramentas tentaram preencher as lacunas e dar coerência ao gerenciamento, à segurança e à coordenação. E todas ficaram aquém do esperado.

Graças ao crescimento dos provedores de serviços globais, a multinuvem está ao alcance da maioria das empresas não pertencentes à lista Fortune 10. O esforço necessário para gerenciar várias nuvens é exponencial. Para dar certo, a maioria das organizações precisa de um provedor de serviços que possa unir todas essas pontas soltas, tais como identificação, faturamento, emissão de tickets e otimização de custos.

Então, o que mudou?

A maior razão pela qual os especialistas estão novamente concordando sobre a multinuvem é a rápida adoção da infraestrutura e do desenvolvimento de  nativos da nuvem , ou seja, contêineres que, cada vez mais, referem-se ao Kubernetes.

Como explicou meu colega Tolga Tarhan em suas previsões para 2020: “Para organizações que precisam executar cargas de trabalho em multinuvem, os contêineres reduzirão a complexidade. Os contêineres se tornarão os principais facilitadores da adoção da nuvem, oferecendo uma maneira independente de plataforma de agrupar e gerenciar aplicativos. A pergunta não é mais se, mas como. Mas o que importa aqui é o Kubernetes, o orquestrador de contêineres escolhido por mais da metade das grandes empresas.”

Em vez de depender de redes complexas de APIs para transferir cargas de trabalho, as multinuvens modernas usam contêineres e tecnologias Kubernetes para executar o mesmo sistema operacional em todos os ambientes; os aplicativos são desenvolvidos e implementados como coletâneas de microsserviços, e tudo é gerenciado por meio de uma plataforma unificada.

O Kubernetes é atualmente a tecnologia padrão para implementação de infraestrutura para sustentar cargas de trabalho baseadas em contêineres. "Não há realmente uma concorrência verdadeira", comentou Tarhan. "A guerra será travada no mercado de ferramentas do Kubernetes para implementação, automação, segurança, auditoria e software de suporte."

E parece que os principais fornecedores de infraestrutura concordam. Quase todos lançaram recentemente soluções de multinuvem em Kubernetes, tais como Azure Stack, Google Cloud Anthos e AWS Outposts. “Essas novas ofertas, além de gerenciarem clusters executados no local e em suas próprias plataformas de nuvem, executam também qualquer cluster do Kubernetes, incluindo aqueles implementados em outros ambientes de nuvem”, como Janakiram MSV escreveu recentemente para a Forbes.com.

Vamos pensar fora do contêiner

Contêineres e Kubernetes não são os únicos fatores que estão impulsionando o ressurgimento da multinuvem. A rápida inovação em inteligência artificial (IA) e o aprendizado de máquina disponibilizaram essas tecnologias para as massas. Plataformas "sem servidor' ou de função como serviço voltadas para eventos permitiram um paradigma completamente novo no desenvolvimento de software.

Os avanços em computação de borda, nuvem pública no local e banda larga móvel 5G estão também permitindo que empresas de qualquer porte solucionem os problemas mais complexos de maneiras verdadeiramente inovadoras. Para uma estratégia multinuvem bem-sucedida em 2020 e além, é necessário que todos esses conjuntos de ferramentas, entre eles o Kubernetes, sejam implementados para atender às aplicações para as quais foram projetados, a fim de evitar as ineficiências da abordagem uniformizada que definiu estratégias semelhantes há alguns anos.

E há mais mudanças a caminho

Embora as implantações específicas da multinuvem variem de organização para organização, nossos especialistas preveem desafios crescentes em torno da complexidade da gestão de multinuvem nas dimensões relativas a custo, governança, identidade e padrões de DevOps. Surgirá também uma série de novas considerações referentes à segurança, à medida que as cargas de trabalho forem equilibradas entre várias plataformas de nuvem pública e ambientes internos.

A multinuvem como conceito e seus principais recursos continuarão evoluindo também a partir deste ponto. A crescente concorrência entre os três maiores redimensionadores de nuvem e a VMware direcionará os esforços para explorar e entender como o Kubernetes os tornará o provedor de multinuvem preferido.

Tudo isso nos prepara para um ano emocionante de anúncios de produtos e serviços e muitas outras novas informações, para dar sentido aos líderes de TI já inundados de informações.

Participe da conversa: encontre o Solve em Twitter and LinkedIn, ou siga através de RSS.

Sobre o autor

CTO, produtos e serviçosJeff DeVerter

Jeff conta com 25 anos de experiência em TI e tecnologia e trabalha na Rackspace há mais de 10 anos. Jeff é um líder estratégico reconhecido, que ajudou empresas como American Express, Ralph Lauren e Thompson Reuters a criarem e executarem...

Leia mais