Transformando grandes dados em muitos dólares


Transformando Big Data em muitos dólares com computação em nuvem e software de código aberto

Anand Bhadouria
Estrategista sênior em TI da Enterprise Cloud Solutions

Sumário executivo

O futuro de sua empresa pode correr riscos se você não começar a transformar Big Data em muitos dólares.

Big Data é o fluxo de informação digital que passa por tudo, da mídia social a sensores embutidos. É grande demais para ser gerenciado com as ferramentas tradicionais, e cresce a uma taxa impressionante de 40% a 60% por ano.

Todas as empresas podem aproveitar o Big Data. Na verdade, pesquisas mostram que uma empresa Fortune 1000 típica que usa dados com apenas 10% a mais de eficácia pode gerar US$ 2 bilhões em receita adicional. No que se refere aos consumidores, os varejistas podem aumentar as margens em 60%. O sistema de assistência médica dos EUA pode economizar a incrível cifra de US$ 200 bilhões por ano. Com os concorrentes atuais e os novos startups se acotovelando por exposição, as empresas devem prestar atenção ao Big Data.

Mas há grandes desafios, incluindo incompatibilidades com a infraestrutura existente, gastos elevados de capital e a ameaça de aprisionamento tecnológico a fornecedores. Para agravar ainda mais o desafio, as habilidades estratégicas necessárias para usar Big Data estão em falta.

Para gerar resultados rentáveis ​​do Big Data, as empresas precisam vislumbrar além de TI no local para a computação em nuvem. A nuvem se adapta perfeitamente ao Big Data, com armazenamento em massa, capacidade de expansão elástica e faturamento apenas do que é consumido. Em vez de manter sua própria infraestrutura cara, com a computação em nuvem você paga apenas pelo que usa e quando precisar dos recursos.

Ao trabalhar com um parceiro de tecnologia de competência comprovada, a maioria das empresas pode economizar tempo e evitar problemas enquanto buscam transformar Big Data em muitos dólares. A Rackspace é o parceiro de tecnologia ideal, com amplo portfólio de ofertas, software de código aberto para a criação de nuvens públicas e privadas e uma reputação excelente de serviços profissionais.

Afinal, o que é Big Data?

Big Data refere-se ao fluxo contínuo de informação digital, que chega através de vários canais, incluindo:

  • e-mail
  • mídias sociais
  • conteúdo criado pelo usuário, como fotos e vídeos
  • transações do cliente e B2B
  • celulares com GPS
  • dispositivos móveis
  • todos os tipos de registros de sistemas
  • sensores de etiquetas RFID embutidos em tudo, desde pistas de aeroportos até fichas de cassino

Esses dados são de 80% a 90% não estruturados, o que significa que não têm qualquer formato previsível, como um relatório pro-forma. E a quantidade desses dados é imensa para uma empresa lidar com as mesmas ferramentas e conhecimentos utilizados nas operações de rotina.

Além do mais, Big Data é um destino em movimento que cresce rapidamente, sem atrelar-se a qualquer número fixo de gigabytes ou terabytes. À medida que mais dados se acumulam em um determinado setor, as ferramentas devem se expandir para lidar com a situação e facilitar o processamento.

Big Data é grande e está ficando maior

Atualmente, a informação flui sem parar em todas as direções e se acumula mais rapidamente do que nunca. Grandes volumes de dados agora são lugar comum na maioria das organizações, em todos os setores, em todos os países. A revista The Economist diz que os dados são "a nova matéria-prima dos negócios: um material econômico quase em pé de igualdade com o capital e o trabalho."1

A maioria das pessoas está familiarizada com megabytes e gigabytes, mas não com os termos maiores usados para discutir Big Data. Agora os conjuntos de dados são medidos em termos de terabytes, petabytes e exabytes, termos raros que sequer aparecem na maioria dos corretores ortográficos. Veja as definições e exemplos na tabela 1 para ajudar a visualizá-los.

Esses termos agora são essenciais, porque o estoque mundial de informações está crescendo a uma agressiva taxa de 40% a 60% por ano, dependendo das estimativas que você prefere.2

O resultado? Big Data está conosco hoje e vai continuar crescendo no futuro.

Big Data promete muitos benefícios

Quase todas as organizações de qualquer setor podem se beneficiar do Big Data. Grandes varejistas, como Walmart e eBay, usam Big Data coletados de transações para refinar seus mecanismos de busca on-line e incentivar os clientes a comprar mais.3 4

Fornecedores de alimentos e bebidas, como a divisão latino-americana da Pepsi, fundiram dados de cliente, logística e produção para melhorar significativamente as operações de suas fábricas.5

Mesmo instituições sem fins lucrativos, como o Hospital Infantil de Los Angeles, usam ciência da computação avançada para realizar pesquisas em conjuntos de dados pediátricos e encontrar padrões que podem ajudar os médicos a salvar vidas de crianças.6

Estes exemplos dizem respeito aos benefícios mais promissores de Big Data:

  • Mais produtividade
  • Receitas maiores
  • Melhor capacidade de decisão
  • Novos produtos, serviços e modelos de negócios inovadores

"O Big Data já foi tido como ferramenta para a vantagem competitiva, mas no cenário competitivo de hoje, é essencial para a sobrevivência", acrescenta Ryan Hawk, vice-presidente de Gerenciamento de Informações da Rackspace.

Algumas tentativas têm sido feitas para quantificar esses benefícios. Um estudo da Universidade do Texas descobriu que se uma empresa Fortune 1000 de médio porte aumentar o uso de seus dados em apenas 10%, ela obteria US$ 55.900 a mais por funcionário, ou mais de US$ 2 bilhões anuas em receitas.7

O McKinsey Global Institute afirma que os varejistas podem aumentar suas margens em 60% ao extrair mais valor do Big Data. E o sistema norte-americano de assistência médica é capaz de economizar a incrível quantia de US$ 200 bilhões por ano.8

Por outro lado, as empresas que ignoram o Big Data tornam-se vulneráveis ​​à concorrência. Se perder essa onda, você corre o risco de ser ultrapassado por concorrentes mais ágeis. Ou, como Forrester diz em um relatório recente, "o futuro de sua empresa depende do uso efetivo de mais dados."9

Alguns setores fundamentais em posição de se beneficiarem amplamente do Big Data incluem computadores e eletrônicos, entretenimento e mídia, finanças, saúde, serviços de informação, seguros, varejo e todos os níveis de governo. Todos estes setores geram uma enorme quantidade de dados que podem ser extraídos para a obtenção de insights ou reestruturados com novos modelos de negócios.

Além destes, as empresas de todos os setores podem se beneficiar de marketing, desenvolvimento de produto e atendimento ao cliente. Com tanto a ganhar, todas as organizações do mundo precisam levar a sério o Big Data.

Usar o Big Data, no entanto, é um desafio

Muitas vezes, espera-se que as equipes de gestão "façam mais com menos". Mas, neste caso, essas equipes são convidadas a "fazer mais com... mais dados". Para gerar informações úteis, o Big Data deve ser adquirido, armazenado e analisado ​de forma criteriosa e econômica.

Mas pode haver muitos desafios na utilização do Big Data, como:

  • A infraestrutura existente talvez não seja capaz de lidar com o Big Data
  • Maiores despesas de capital (CapEx)
  • Custos mais elevados de recursos não estratégicos
  • Aprisionamento tecnológico a fornecedores que limita as escolhas

A infraestrutura existente talvez não seja capaz de lidar com o Big Data

Como o Big Data é menos estruturado do que a informação arquivada em qualquer sistema de CRM ou ERP, os tradicionais bancos de dados e plataformas de análise não são capazes de lidar com isso. Na verdade, o Big Data é um terreno inexplorado que vai ampliar e moldar a infraestrutura de TI de qualquer empresa.

"Coletar, filtrar, armazenar e analisar os fluxos de Big Data pode inundar as redes tradicionais, matrizes de armazenamento e plataformas de bancos de dados relacionais", observa um artigo recente do MIT Sloan. "As tentativas de replicar e expandir a tecnologia existente não acompanharão as demandas de Big Data."10

Maiores despesas de capital

Se uma equipe de TI tenta lidar com o Big Data sem repensar a infraestrutura existente no local, isso implica geralmente comprar dezenas de prateleiras de drives para acomodar o número cada vez maior de dados e adicionar dezenas de servidores para picos ocasionais de demanda de processamento. Tudo isso pode resultar em despesas de capitais, ou CapEx, altíssimas e imprevisíveis que a maioria dos diretores financeiros deseja evitar, especialmente por causa do rápido crescimento de dados.

Custos mais elevados com recursos não estratégicos

Quanto mais servidores e unidades de armazenamento no local, mais pessoal de TI é necessário para cuidar desses equipamentos. Esses recursos agregados preenchem funções não estratégicas, fazendo pouca coisa além de manutenção de rotina, ou, simplesmente, "mantendo as luzes acesas". Não irão contribuir para o tipo de informações estratégicas que os analistas de Big Data podem produzir.

Aprisionamento tecnológico a fornecedores que limita as escolhas

O problema do aprisionamento tecnológico a fornecedores pode resultar na compra de hardware ou software proprietários que não funcionam com outros produtos. Isso limita as opções futuras de atualização da infraestrutura ou troca de fornecedores.

Quando está preso a um único fornecedor, você tem de continuar comprando dele, mesmo que nunca veja um retorno sobre o investimento aceitável de seus produtos. Você se torna vítima de um círculo vicioso.

"Os sistemas legados e padrões e formatos incompatíveis muitas vezes impedem a integração de dados e as análises mais sofisticadas que criam valor a partir do Big Data", observa McKinsey.11

No pior dos casos, uma organização pode ficar atrelada a uma infraestrutura cara e inflexível incapaz de suportar as ferramentas analíticas necessárias para analisar o Big Data da empresa.

Escassez iminente de habilidades especializadas

Outro grande desafio é a escassez iminente de pessoal capaz de ajudar as empresas a aproveitar o Big Data. Essa nova tendência aumenta a demanda por habilidades, como aquisição de dados, análise e visualização. Qualquer um com habilidades desse tipo pode agora assumir um dos mais novos papéis da TI: cientista de dados.

Esses pensadores criativos são responsáveis ​​pela triagem de respostas a perguntas fundamentais, como "quem são nossos clientes?", "por que comprar conosco?" e "como podemos levá-los a gastar mais e com mais frequência?"

Mais ou menos como o Spock do Star Trek original, essa função é uma "mistura de hacker de dados, analista, comunicador e consultor confiável", segundo o Harvard Business Journal, que a chama de "o trabalho mais sexy do século 21". Mas, como os principais envolvidos com o Big Data, a escassez de cientistas de dados está se tornando "uma restrição séria" e "a competição pelos melhores talentos permanecerá acirrada".12

Até 2015, a demanda por Big Data chegará a 4,4 milhões de empregos no mundo, mas apenas um terço desses postos será preenchido, diz Gartner.13 O motivo? As faculdades têm ficado para trás e não conseguem dotar os formandos das competências adequadas de modo rápido o suficiente. As empresas terão que pagar caro para contratar dentre um pequeno grupo de cientistas de dados qualificados, além de oferecer incentivos, como bônus de incentivo e opções de ações.

Por todas estas razões, sua equipe de TI e infraestrutura pode não estar bem preparada para lidar com alguns projetos de Big Data. A sua equipe de gestão deve vislumbrar para além da situação atual em busca de uma solução mais eficaz.

A solução: levar o Big Data para a nuvem...

Para obter o máximo valor do Big Data com o menor custo e ir além das limitações da TI interna, muitas empresas estão se voltando para a nuvem.

"A computação em nuvem é bastante adequada ao Big Data", observa MIT Sloan, uma vez que a nuvem corresponde a necessidade de armazenamento econômico em massa, capacidade de expansão elástica e preços conforme o consumo.14

Por exemplo, uma empresa pode precisar de mais recursos de computação para lidar com o surgimento de grande volume de análise de Big Data dentro de um cronograma imprevisível. A nuvem fornece uma maneira simples e acessível de executar tantos servidores extras quanto for necessário, liberá-los assim que o trabalho for concluído e pagar apenas pelo tempo em que foram realmente utilizados.

A maioria dos diretores financeiros considera o faturamento de serviços de utilidade pública para a computação em nuvem e pagamento de orçamentos ou despesas operacionais como a melhor opção para o balancete da empresa. Isto significa que a nuvem pode oferecer o melhor de dois mundos: melhores serviços e um resultado final mais sólido.

O pesquisador de Forrester Holger Kisker recentemente identificou as três principais razões para o uso de Big Data na nuvem:

  1. O Big Data requer um espectro de tecnologias, habilidades e investimentos avançados. Você realmente quer isso tudo internamente?
  2. O Big Data inclui grandes quantidades de dados externos. Faz sentido mover e gerenciar todos esses dados atrás de seu firewall?
  3. O Big Data precisa de vários serviços de dados. Por que não se concentrar no valor da sua análise, em vez de simplesmente gerenciar seus dados?15

Por todas estas razões, transferir seus projetos de Big Data para a nuvem faz muito sentido.

... e usar software de código aberto

Aqui está a decisão fundamental a tomar na transferência para a nuvem: sua empresa deve usar software comercial proprietário ou de código aberto?

Grande parte da web e da nuvem já funciona sem problemas em software de código aberto, como a pilha LAMP (acrônimo para Linux, Apache, MySQL e Perl). Provavelmente a ferramenta mais popular para lidar com Big Data, o Hadoop é um premiado software de código aberto.

Para obter o máximo de flexibilidade e economia na nuvem, centenas de empresas estão em busca do software de código aberto OpenStack®.É um conjunto de ferramentas de software flexíveis e rentáveis ​​que tornam mais rápido e mais fácil criar nuvens públicas ou privadas. Como se trata de código aberto – disponível com a licença Apache 2.0 –, não há taxa de compra e absolutamente nenhuma ameaça de aprisionamento tecnológico a fornecedores.

O que é o OpenStack?

O OpenStack é um sistema operacional aberto e expansível para a criação de nuvens públicas e privadas. Ele fornece às grandes e pequenas organizações uma alternativa para ambientes em nuvem fechados, reduzindo os riscos de restrições associados com as plataformas exclusivas. O OpenStack oferece flexibilidade e escolha através de uma comunidade altamente engajada de mais de 6.000 indivíduos e mais de 190 empresas.

A Rackspace oferece um amplo portfólio de produtos e serviços para plataformas de nuvem OpenStack.

  • Plataforma em nuvem pública poderosa e expansível
  • Nuvem privada, em qualquer lugar, em seu centro de dados ou no nosso
  • Treinamento prático para que você possa administrar suas próprias nuvens OpenStack

Como encontrar um parceiro para ajudar você

As empresas precisam de um parceiro de tecnologia capaz de ajudá-las a transformar o Big Data em grandes oportunidades. Com tanta coisa em jogo - até mesmo a sobrevivência da empresa - o que uma companhia deve procurar nesse parceiro?

Faz sentido buscar um parceiro que possa oferecer profunda expertise em computação em nuvem, portfólio de software de código aberto, compromisso comprovado em suporte e serviços profissionais experientes. É imperativo que um parceiro não seja apenas capaz de projetar e administrar um ambiente arquitetônico otimizado, mas também tenha acesso ao conhecimento necessário para análise de Big Data.

Os orçamentos de TI e as tecnologias internas não irão aumentar para lidar com a quantidade de infraestrutura e recursos humanos necessários para controlar as necessidades atuais e futuras de grande volume de dados. É por isso que o único caminho lógico para conquistar o Big Data é aproveitar os benefícios da computação em nuvem e encontrar o software e expertise adequados para examinar informações de petabytes de dados e operacionalizar essas ideias em ação. A Rackspace é perfeitamente adequada para formar parcerias com empresas e garantir a elas um meio de extrair a riqueza do conhecimento em seu Big Data, evitando pressão sobre orçamentos e expertise já comprometidos.

A organização Enterprise Cloud Solutions da Rackspace, com sua equipe de estrategistas seniores de TI e arquitetos de soluções em nuvem, é um líder reconhecido em todas essas áreas, e o alinhamento estratégico da Rackspace com a Hortonworks, líder no desenvolvimento, implementação, suporte, operações e treinamento de Apache Hadoop, oferece aos clientes uma plataforma Hadoop própria para os negócios que é fácil de usar na nuvem. Juntas, Rackspace e Hortonworks concentram-se em eliminar as complexidades e os processos manuais demorados que são necessários para a implementação de soluções de Big Data. O esforço conjunto vai atrás de uma solução Hadoop baseada em OpenStack para nuvem pública e privada, o que pode ser facilmente implementado em minutos. As soluções de nuvem privada estão agora disponíveis com uma solução de nuvem pública prestes a ser lançada.

Deixe a equipe de especialistas em Enterprise Cloud Solution da Rackspace mostrar como a tecnologia pode ajudá-lo a abocanhar, classificar e usar o Big Data da melhor maneira para a sua empresa.

Agende Serviços de consultoria: Oficina de evolução de TI gratuitamente hoje mesmo. Juntos, vamos definir como uma solução de Big Data pode fortalecer o seu negócio, criar seu ambiente otimizado e traçar um roteiro que pode ser utilizado para se chegar até lá.

Fale conosco pelo 1-800-440-1249 ou envie e-mail para advisory_services@rackspace.com.

Notas

1 "Data, data everywhere," The Economist, 25 de fevereiro de 2010
2 Fontes diversas calculam o crescimento de Big Data de modo diferente. The Economist e vários analistas dizem que informação digital aumenta 10 vezes a cada cinco anos, o equivalente a 60% de crescimento anual. A IBM afirma que os dados estão crescendo 50% por ano. A IDC prevê que o universo digital vai crescer mais de 45% entre 2010 e 2015, enquanto as vendas de tecnologia relacionada crescerão 40% por ano.
3 "Report: Wal-Mart's Big Data Moves Will Boost rackspace," Data Center knowledge, 22 de outubro de 2012
4 "How Ebay uses big data to make you buy more," zDNet, 20 de outubro de 2012.
5 "How Big Data Came to pepsiCo," Forbes, 12 de dezembro de 2012.
6 "Using big data to save lives," phys.org - Computer Sciences, 22 de outubro de 2012.
7 "Measuring the Business impacts of Effective Data, chapter 1," University of Texas, setembro de 2010, p. 3
8 James Manyika et al, "Big Data: The next frontier for innovation, competition, and productivity," Mckinsey global institute, maio de 2011, p. 64-39
9 Brian Hopkins and Boris Evelson, "Expand Your Digital Horizon With Big Data", Forrester, 30 de setembro de 2011, p. 2
10 Thomas Davenport, paul Barth and randy Bean, "How 'Big Data' is Different," MiT Sloan Management review, 30 de julho de 2012
11 James Manyika et al, "Big Data: The next frontier for innovation, competition, and productivity," Mckinsey global institute, maio de 2011, p. 12
12 Thomas H. Davenport and D. J. patil, "Data Scientist: The Sexiest Job of the 21st Century," Harvard Business review, outubro de 2012
13 "Gartner reveals Top predictions for iT organizations and Users for 2013 and Beyond", comunicado à imprensa, Gartner, 24 de outubro de 2012
14 Thomas Davenport, paul Barth and randy Bean, "How 'Big Data' is Different," MiT Sloan Management review, 30 de julho de 2012
15 Holger kisker, "Big Data Meets Cloud", blog For Chief information officers Forrester, 15, 15 de agosto de 2012



Este conteúdo foi útil?




© 2014 Rackspace US, Inc.

Salvo indicação em contrário, o conteúdo deste site está licenciado sob uma licença não adaptada de Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0


Ver detalhes da licença e o AVISO LEGAL